sexta-feira, 25 de maio de 2018

MEU AUTOR NACIONAL - M S FAYES

Oi gente linda que adora ler!
Sabe a boa de hoje? Conhecer mais uma autora desta nova safra da literatura nacional brasileira.
Marta de Sousa Fagundes, ou como é conhecido no universo literário M S Fayes. Ela mora em Brasilia e começou a escrever em 2009, com uma escrita com traços cômico e sarcasmo, muitos adjetivos e substantivos pouco usuais que caracterizam sua escrita.
Curiosos como somos perguntamos para ela, porque escrever?
"Porque é maravilhoso criar roteiros onde eu posso criar meus próprios finais."
Quem nunca quis reescrever o final de algum livro?????
Mas escrever nunca é fácil e com a Martinha ( como é carinhosamente chamada pelas amigas) não foi diferente. Muitas vezes ela se viu suas estruturas abalada por elas e pelo fato de a mãe meio que odiar o fato de ela ter seguido a carreira de escritora.
Apesar de ter uma editora vira e mexe a autora solta algumas publicações de forma independente.
Nós sempre queremos saber como funciona o processo de criação dos nossos autores...

"Varia... às vezes do nada surge um plot de uma história e eu abro o word e começo a digitar. Às vezes aquela esquete fica meses, até anos sem que eu mexa. Daí resolvo finalizar... E pah. Pronto."

Romântica de carteirinha ela recebeu influência de varias escritoras "da velha guarda, por assim dizer" Nora Roberts, sempre. Linda Howard, Judith MacNaught.
Como eu amo playlist Literaria não perco a oportunidade de perguntar se ela cria uma playlist para suas historias ou mesmo se a musica influencia na hora da escrita, olha a resposta...

"Adoro. Já escrevi cenas por conta da inspiração de alguma música. Muitas vezes aleatórias, que nem têm nada a ver com o livro, mas inspiraram mesmo assim."

E os personagens de onde vem esta inspiração para tantos, será que algum deles se parece com ela?

"Hahahah... Fay, de Irresistível é meio que meu alter-ego. A Condessa, com o jeito meio louco também. Até um personagem masculino que eu amo... tem um pouco de mim."

Como ela mesma descreveu, entre mortos e feridos digo, físicos e digitais, livros e contos, 20. E podemos esperar muito mais por ai.



E de onde vem tanta criatividade para as historias? A autora afirma que esta criatividade a acompanha desde pequena quando tinha mania de escrever roteiros para historias em quadrinhos.Apesar da criatividade e  boa aceitação do publico ela esta sempre buscando se aperfeiçoar e buscar novas técnicas de escrita, melhorar.

Ping Pong:

Cor: Preto... putz. Mas tb gosto de roxo. E cinza.
Filme: Não lembro.
Serie: Não assisto
Musica: Pop internacional
Cantor(a): Sia
Raiz ou Nutela: Caracas? Faço a mínima ideia do que seja isso.
Dia ou noite: Noite
Frio ou calor: Frio
Livro físico ou e-book: Ambos pra ter. Pra ler gosto do ebook.
Casar ou comprar uma bicicleta: Casar
Ficção ou Não-ficção: Ficção

O que podemos esperar para o futuro?

"Mais romance florzinha, clichê mesmo, porque clichê é vida, recheado de emoções, dramas e finais felizes."

Se você também gostou demais desta autora, que além de linda é muito simpática, da uma conferida nas redes sociais e canais que ela usa para interagir com seus leitores 


   Blog      Facebook   Intagram     Skoob

Eu amei a entrevista, espero que vocês também tenham gostado.
Beijos...


quinta-feira, 24 de maio de 2018

PRIMEIRAS IMPRESSÕES - NIHIL

Oi gente, como vocês estão?
Ando sumida pois a vida esta muito louca, tempo para as coisas que amo anda faltando, mas não podia fechar esta semana sem compartilhar com vocês  minhas primeiras impressões deste livro.


Sinopse Nihil: Enclausurado por muito tempo, o ser humano definha.Do lado de fora, uma espessa neblina dominou países inteiros. Ela mata quem se arrisca a desbravá-la, espalha vísceras, sangue e entrega os gritos a um estranho lugar sem cheiros, sons, luz ou escuridão.Do lado de dentro os sobreviventes enfrentam sua subsistência. Não há água encanada, ondas de rádio ou energia elétrica. Falta comida e os sentimentos são confusos e intensos.Não há sol ou chuva para se observar. Não há divisão entre dia ou noite. Os relógios estão parados e qualquer esperança já se fragmentou, mesmo que alguns ainda esperem por algo que já nem sabem se existe ou mesmo se tem um nome.

A Carolina Mancini, autora, me convidou a ler uma degustação do livro (confira mais dela na entrevista aqui no blog), suas primeiras 44 paginas. Confesso que esta é a primeira vez que faço isso, e fiquei muito ansiosa pela leitura. Recentemente eu participei de um projeto "Livro Viajante" promovido pela Lua do blog "Caderno da Lua" do seu primeiro livro "Dias de chuva" (resenha) eu amei o livro. Mas nada me preparou para os sentimentos que me acompanharam na leitura desta primeira impressão.

– Feche a janela, meu querido. Não há nada para ver lá fora. Não há nada para ver.


"– Feche a janela, meu querido. Não há nada para ver lá fora. Não há nada para ver."

Quando iniciei a leitura algumas coisas ficaram claras para mim, o mundo está coberto por uma névoa. Algo terrível aconteceu, obrigando as pessoas a se trancarem em suas casa. Quem se aventura a buscar ajuda, alimentos ou outros sobreviventes não retorna, fazendo com que as pessoas refugiadas tenham cada vez mais medo de sair de casa.
A primeira parte e angustiante, a autora tem um talento absurdo para transmitir por meio dos seu texto os sentimentos, emoções que os personagens estão passando.
Tudo me leva a crer que se trata de uma guerra biológica, apesar de até onde pude ir na historia este fato não ter ficado claro apenas subentendido.

"desculpe a frieza, mas o bombardeio lá fora não me deixa mais escrever poesias."

Cada pessoa ou grupo de pessoas tenta lidar com a dor e sofrimento de uma maneira. A solidão, isolamento e a angustia que é passada me fez questionar se os personagens na realidade não estão vivendo dentro de um pesadelo coletivo (acho que deu para perceber meu nivel de ansiedade).
Um livro que me deixou com dificuldades para expressar como me senti, e que com certeza precisarei ler para saber o que vai acontecer com os personagens.

Se fosse para defini-lo com poucas palavra seria envolvente e angustiante.


– Feche a janela, meu querido. Não há nada para ver lá fora. Não há nada para ver.

– Feche a janela, meu querido. Não há nada para ver lá fora. Não há nada para ver.
O lançamento esta marcado para o dia 26/05, e se você for de São Paulo não pode perder este lançamento.

Lembrando que você pode garantir o seu exemplar entrando em contato diretamente com a autora Carolina Mancini pelo Facebook, Instagram ou Blog .
Eu vou garantir o meu e prometo que volto para trazer uma resenha completa.
Beijos...



segunda-feira, 14 de maio de 2018

RESENHA - O SOL TAMBÉM É UMA ESTRELA


Oi gente olha eu aqui de novo!!
Hoje eu vim falar do primeiro livro da nossa Leitura Coletiva.
Foi muito bom!
Primeiro eu queria apresentar a autora e o livro para vocês.

Nicola Yoon é autora do best-seller Tudo e todas as coisas, cuja adaptação para o cinema foi lançada em 2017. Ela nasceu na Jamaica, cresceu no Brooklyn e mora em Los Angeles com a família. É uma romântica incurável que acredita ser possível se apaixonar num instante e que isso pode durar para sempre. O sol também é uma estrela é seu segundo livro. Ele foi considerado Melhor livro do Ano por Publisher's Weekley e Amazon e foi finalista do National Book Awards 2016.

E foi ele que nos lemos:
"O sol também é uma estrela"
Ano: 2017 
Páginas: 288
Idioma: português 
Editora: Arqueiro

Natasha: Sou uma garota que acredita na ciência e nos fatos. Não acredito na sorte. Nem no destino. Muito menos em sonhos que nunca se tornarão realidade. Não sou o tipo de garota que se apaixona perdidamente por um garoto bonito que encontra numa rua movimentada de Nova York. Não quando minha família está a 12 horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não pode ser a minha história.

Daniel: Sou um bom filho e um bom aluno. Sempre estive à altura das grandes expectativas dos meus pais. Nunca me permiti ser o poeta. Nem o sonhador. Mas, quando a vi, esqueci de tudo isso. Há alguma coisa em Natasha que me faz pensar que o destino tem algo extraordinário reservado para nós dois.

O Universo: Cada momento de nossas vidas nos trouxe a este instante único. Há um milhão de futuros diante de nós. Qual deles se tornará realidade?


Apesar de não ser uma biografia a historia tem varias coincidências com a da autora, pois como vimos a autora também é Jamaicana e casada com oriental.


"precisamos de diversos livros por causa de tudo neste círculo"

E como foi esta leitura? Foi incrível! Tivemos uma dinâmica e interação constante no grupo, o livro é muito leve o que facilita o desenvolvimento da leitura, e apesar de ser um livro fácil de ler trás muitas questões a serem discutidas.



Opinião da Sue: Eu já conhecia a escrita da autora, pois li o outro livro dela, Tudo e todas as coisas, que por sinal é ótimo. Mas confesso que me apaixonei mais por Daniel e Natasha, são personagens jovens, mas que acabam tendo grandes responsabilidades, devido algumas decisões tomadas pelos pais e que influenciam a vida deles. 
Natasha é uma garota atípica que acaba não tendo "sonhos" e focar apenas na realidade e pessimismo da vida, onde não existe expectativas, a não ser tentar fazer algo realista, mesmo que você não tenha amor por esse algo que escolheu. 
Daniel já é a inversão de Natasha, é sonhador, é movido pela paixão por poesia e acredita na conspiração do universo na  nossa vida, que através dessas pequenas forças do destino nossa vida será mudada para o que deverá acontecer. Daniel é um dos personagens mais fofo e amorzinho que já conheci, me apaixonei. 
Algo interesse do livro, é que embora ele seja um livro New Adult, ele trás reflexões incríveis sobre família, amizade, escolha de carreiras, relação pais-filhos, amor, sonhos, perspectivas de vidas, etc. E algo maravilhoso também é os capítulos de personagens secundários, que contribui para a história, não só dos dois, como para refletir sobre como não percebemos o que o outro passa. E entendo um pouco como é essa questão de imigração, mas no caso a migração, ela acaba sendo dura com a gente, se acostumar com uma cultura diferente é complicado, e sem contar que vocês trás todo os trejeitos da sua região e algumas vezes acaba sendo motivo de piada pelo jeito de se expressar, agir, etc.  


Ao logo da leitura foram propostos vários desafios aos leitores do grupo. O ultimo desafio da nossa leitura coletiva era enviar uma musica ou poema com o sol como tema.Além das varias musicas que são mencionadas no livro adicionamos as nossas, e foi muito bom vou deixar a playlist para vocês ouvirem 


E também o poema escrito por uma das leitoras.


Se você gostar da ideia e quiser participar da nossa próxima leitura coletiva sera muito bem vindo.

Beijos e te espero na próxima leitura coletiva.