terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

LEITURA COLETIVA O JARDIM DAS BORBOLETAS - DOT HUTCHISON

Olá Pocktes!!

"Não fazer uma escolha é uma escolha. Neutralidade é um conceito, não um fato. Ninguém vive a vida desse jeito, não realmente."

 Final do mês já, janeiro passou rápido né? E com ele, mas uma leitura coletiva concluída. O livro do mês foi O Jardim das Borboletas da autora Dot Hutchison, ele ganhou em votação e quase unânime.

Esse livro trás uma história tensa, que nem sempre estamos preparados para ler, mas é uma leitura que aborda um tema impossível de não ser discutido e refletido pelo teor de emoções e sentimentos que ao lê gera em cada pessoa.


Título: O Jardim das Borboletas
Série: V.1, The Collector
Autora: Dot Hutchison
Editora: Planeta
Ano: 2017
N° Páginas:304
Classificação: 5


Sinopse: Quando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro. Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas... e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. Cada uma delas passa a ser identificada pelo nome de uma espécie de borboleta, tendo, então, a pele marcada com um complexo desenho correspondente. Quando o jardim é finalmente descoberto, uma das sobreviventes é levada às autoridades, a fim de prestar seu depoimento. A tarefa de juntar as peças desse complexo quebra-cabeça cabe aos agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddinson, nesse que se tornará o mais chocante e perturbador caso de suas vidas. Mas Maya, a enigmática garota responsável por contar essa história, não parece disposta a esclarecer todos os sórdidos detalhes de sua experiência. Em meio a velhos ressentimentos, novos traumas e o terrível relato sobre um homem obcecado pela beleza, os agentes ficam com a sensação de que ela esconde algum grande segredo.
RESENHA:

A história começa com o interrogatório da personagem Maya, uma menina de 17 anos, que vai relatando tudo que passou, juntamente com as outras 20 meninas no cativeiro chamado jardim, onde um psicopata milionário criou um jardim para aprisionar e abusar de meninas, a qual ele achava linda. Todas recebia um nome de borboletas, que correspondia com o tipo de tatuagem que receberiam nas costas, além disso recebia um novo nome, e para terror maior das meninas as borboletas tinham um prazo de vida determinado, que era até os 21 anos.

No inicio da leitura, percebemos que os investigadores Hanoverin e  Eddison desconfiam da participação de Maya no caso, pois para uma vitima, ela tem uma confiança e uma inteligencia diferenciada pela idade. 
"- Nós somos o FBI. Normalmente, as pessoas acham que somos bonzinhos.
- E por acaso Hitler se achava um homem mau?"


Por ter filhas da idade de Maya, Hanoverin consegue dialogar melhor com ela, e nessa troca de confiança, Maya vai contando todos os detalhes do que as "borboletas" passavam no dia a dia do jardim, dos abusos e crueldades que sofria tanto na mão do jardineiro, como de seu filho Avery, que era um verdadeiro escroto, maniaco, sádico, que sentia prazer em machucar as borboletas, tanto que algumas até morreram com seus abusos físicos.

Mas Maya não entregava tudo muito fácil, sempre levava a conversa para o ponto que queria,por isso levantada suspeitas, Maya parecia querer esconder algo. E vamos percebendo suas atitudes, através do que vamos sabendo da sua vida, desde a infância até a adolescência quando vai morar sozinha, e com uma identidade falsa.
"Essa garota nunca teve um super-herói. Ele se pergunta se algum dia ela tinha desejado um."

"(...) Você parece sempre imaginar que fui uma criança perdida, como se tivessem me largado na rua como lixo. Mas as crianças como eu nunca estão perdidas. Talvez sejamos as únicas que nunca se perdem. Sempre sabemos exatamente quem somos e aonde podemos ir. E onde não podemos ir, é claro."

Maya, mesmo não querendo acaba se tornando a líder das meninas, além disso o jardineiro tem um "amor" diferente para com ela, pois ela é forte e luta pelas melhoras das meninas, e Avery a odeia, pois ela mão a temer, como ele gosta. Maya luta para que as meninas consigam pequenas liberdades, para que suas mentes não acabem desmoronando.

Pelos olhos de Maya, enxergamos meninas talentosas, que busca não esquecer quem realmente são, assim como outras parecem aceitar que jamais serão elas de verdade. Existem as que tentaram ganhar a atenção do jardineiro para que pudesse se livres, mas perceberam que não adiantaria, pois ele acredita cegamente que está fazendo um bem a elas.

Mas as coisas mudam, quando surge o filho mais novo do jardineiro Desmond. Ele é uma incógnita para as meninas, principalmente para Maya. Mas Desmond é apresentado as meninas, e parece ser igual ao pai, "ama" as borboletas como se fossem delicadas. Maya tenta mostrar a ele o que realmente acontece dentro do jardim, e vai tentar usar o amor dele para libertar as meninas.
- Sempre dá para ficar mais maluca. - Ela sorri ao dizer isso, mas ele sabe que não deve confiar. Não se trata de um sorriso simpático, não é o tipo de sorriso que deveria ser facilmente exibido em uma garota de sua idade. - É a vida, certo?"

Mas as coisas não acontece muito bem, pois Desmond parece acreditar no pai, e além disso, cria um ciúme e obsessão maior em Avery, que acaba tratando as meninas ainda pior, e ainda mais que o pai, "deixou" Maya apenas para Desmond.

Quando Avery machuca tanto uma das meninas, que ela acaba não aguentando, Maya se utiliza disso para mostrar a verdade sobre o pai e sobre o jardim. E é quando Desmond enxergar o que realmente acontece, mas Maya não confia nele para fazer a denúncia, pois ele só pensa em proteger a mãe dele. Sabemos desde o inicio que as meninas foram libertadas, mas não sabíamos como, e esse desfecho do livro nos deixar surpreendidos, principalmente com Maya e sua história final. 

A história é intensa, forte e com uma temática que deixa muitos em pedaços, pois rapto, abusos físico e psicológico, e família não são fácies de lidar, ainda mais quando é descrito de modo realista e com os detalhes cruéis que cada menina passou. A história mesmo sendo tensa, é maravilhosa, que te prende do inicio ao fim, apenas peca em uns detalhes, pois deixa pontos soltos que deixa o leitor curioso para saber mais.

Foi uma leitura coletiva que rendeu debate, e desabafo de sentimentos contraditórios em todos. Indicamos a leitura, mas para quem tem estômago para aguentar a verdade nua e crua.
(...) Se você não olhar para a coisa ruim, a coisa ruim não pode ver você, certo?"
Beijos até a próxima.


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

DESAFIO LITERÁRIO 2019 - FEVEREIRO

Olá Pocktes!!

E 2019 está correndo, assim como nossas leituras. E fevereiro se inicia com leituras já definidas e claro com um toque especial, porque é meu mês de aniversário (rsrs), é minha gente estou ficando velhinha, mas meu amor por livros só aumenta.

E como a já foi explicado no desafio de janeiro a ideia do desafio é vocês escolher três livros que estão parados na sua estante a bastante tempo. Nós montamos uma planilha que você pode baixar e seguir para ter uma noção do que pode escolher para os desafios. 

Então vamos conhecer os meus escolhidos este mês de fevereiro uma TBR super especial.

1 - Um livro que vocês ganhou - Par Perfeito da Katie Ashley
Eu ganhei esse livro no meu aniversário de 2017, então já faz um tempinho que eu ganhei. Esse livro faz parte de um box de três livros, esse é o terceiro da trilogia. No primeiro e segundo livro conta a história de Emma Harrison e Aidan Fitzgerald que se conhecem no elevador e acabam tendo uma proposta interessante. E é neles que conhecemos os personagens de Par perfeito que será Megan McKenzie e Pesh Nadeen, e que não será nada fácil para Pesh conqusitar Megan, pelo que ela passou antes com o ex-namorado.

 
2- Um para ler em um dia - Máscaras da FML Pepper
A esse livro é um muito esperado, porque quem conhece a trilogia Não Pare da autora Fml Pepper, vai querer realmente saber o que acontece com os personagens da trilogia, que são um amorzinho, e que acaba nos conquistando porque é uma história totalmente diferente de que estamos acostumados e um universo criado por uma autora brasileira, que é um amor de pessoa. Pense numa autora fofa, que fala com você como se te conhecesse, super indico a trilogia Não Pare.

3- Um livro polêmico - Mas Escuro da E. L. James
Acredito que esse realmente é polêmico né? A trilogia que gerou um estrondo danado nas mídias e principalmente quando saiu o filme. Essa trilogia que agora tem 5 livros lançados, porque tem a versão do tão aclamado Christian Grey é um "Amor e ódio", porque uns amam, em quando outros odeiam e acha críticas sobre a história. Eu Sou apaixonada pela história, embora não goste muito da Anna por achar a mesma muito besta. Gosto da história, principalmente dos livro na versão do Grey, porque podemos entender bem seus sentimentos. 

E não acaba por ai minhas leituras não. Eu participo de alguns leituras coletivas, e esse mês de fevereiro já tem planejado as leituras a seguir:

It a coisa é projeto que vai até março, o clube de Jane Austen é projeto junto com o Dna literário, Corte de Névoa é projeto com amigas para tentar finalizar a série, Assassinato de Roger é projeto de leitura de todos os livros da Agatha até 2021, Brumas de Avalon é com amigos para desencalhar da estante, o meu está desde 2015 na estante para ler, e a interrogação é porque ainda não decidimos no grupo do mimimi.

E no mês de fevereiro ainda tem leitura coletiva do @CULTURAPOCKET O ódio que você semeia e Corações quebrados em parceria com o @FORTALBOOKS, não irei ler porque já li, mas super indico.


Se ler algum dos desafios não se esqueça postar nas redes socais e de colocar a #DesafioLiterario2019CP para nós curtimos.

Beijos...

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

COMO SUPERAR UM FORA - FILME

Boa Noite, Pocktes!!
"Princesa que se respeita se salva sozinha!"
Fonte: Google imagens
Tudo bem com vocês? Hoje venho apresentar um filme divertido e com umas reflexões bacanas. Muitos de nós já levamos um fora né? Mas nem todos conseguem levar isso numa boa, porque sempre é algo dolorido, ainda mais quando o relacionamento durou bastante tempo, e 6 anos é um bom tempo. rsrs 

Apresento um filme fofo que está disponível na Netflix COMO SUPERAR UM FORA.

Título: Como superar um fora
Título Original: Soltera Codiciada
DireçãoBruno Ascenzo, Joanna Lombardi
Ano de lançamento: 2018
Nacionalidade: Peru
Duração: 1h 44min
Elenco: Gisela Ponce de León, Karina Jordán, Jely Reátegui, Christopher Von Uckermann
Classificação: 5

Sinopse:Quando uma solitária publicitária sofre mais uma desilusão amorosa, ela decide que precisa desabafar sobre as coisas que ocorrem em sua vida, por mais que tenha vergonha de mostrar seus sentimentos a outras pessoas. Para driblar esse impedimento, ela cria um blog e escreve lá todos os anseios da vida de uma mulher solteira de meia-idade, mas se surpreende com o sucesso que atinge.

RESENHA:

O filme conta a história da protagonista Maria Fé, que está toda animada se preparando para visitar o namorado que está na Espanha, que foi fazer mestrado, mas ai recebe um choque, logo de cara na vídeo chamada o namorado Matías solta uma bomba de "precisamos conversar" e já sabem o que vem né, Maria Fé, precisamos de um tempo.

Maria tenta argumentar que são 6 anos de relacionamentos, e que a distância já é bem grande, para que ele queira mais espaço e tudo isso via chamada do skype, e que logo começa a falhar. Maria Fé, começa a passar pelas fases de pós-rompimento que vai da negação a conformação. Ela acredita está superando bem, quando começa a ver o namorado, e todas as coisas que faziam juntas.
Fonte: Google imagens
Mas sua amiga Natália, que é inteligente e totalmente voltada ao trabalho, tem a grande ideia de encontrar alguém para ela dividir o apartamento e claro que tem cenas ótimas de vários tipos de pessoas, mas a sortuda que aparece é a carolina "Carol", toda descolada, vegetariana, mas que come frango de vez enquanto (rsrs), e que cozinha super bem. Essas três vão aprontar poucas e boas, e tudo isso para ajudar Maria a sair da fossa.

Maria é uma publicitária, que sofre bastante com o machismo e auto ego do seu chefe, mas que acaba ganhando uma promoção com a ideia genial da publicidade de um cliente. Ela se sente frustada, mas Natália não refresca e joga na cara dela, que ela deveria fazer algo por ela, principalmente correr atrás do sonho de escrever um livro.

E essa ideia é maravilhosa, porque Maria cria um blog chamado Solteira Cobiçada e viraliza, ela relata sobre o cotidiano da vida como solteira e suas buscas pelo seu eu, ganha um grande visualização, que é chamada até para uma reportagem.
"Todas as dores doem né? Só que de um jeito diferente."
Fonte: Google imagens
Maria Fé, também tem um grande amigo o Santiago (o Diego do RBD - Chrispoher Von Uckermann), que também trabalha na empresa de publicidade com ela, ele é apaixonado pela Natália. E as cenas dele são ótimas, é um encanador e multiuso de Maria, que ainda a faz entrar no jogo do Tinder, o qual tem uma cena ótima sobre o primeiro encontro da Maria.

Maria vai crescendo no decorrer do filme, onde ela protagoniza momentos cômicos, e junto com seus amigos transforma essa superação em momentos engraçados, mas expondo a verdade sobre o fim de um relacionamento, ainda mais de vários anos. E maria começa enxergar que a vida não é um conto de fadas, como ela imaginava, e que as vez é preciso fazer algo por si e para si mesmo.

Fonte: Google imagens


O filme trás uma história interessante de como tentar sair da depressão de um relacionamento, os diretores transforma algo triste em cômico, mas que expõe a verdade sobre a separação, ainda mais quando um das partes não está esperando o fim.

A história retrata, que é possível sim você superar o fim de um relacionamento, ainda mais se tiver amigos que estão ao seu lado, disposto a te ajudar é vê, que pode acontecer coisas incríveis, e que mesmo seja um caminho demorado e melancólico, você pode perceber coisa ótimas ao seu redor.

Como superar um fora, é aquele filme divertido que aquece seu coração, e algo bem legal é por ser uma produção Peruana, onde os diretores construíram personagens divertidos, que representaram bem seu papel, e não é aquela personagem que é um espetáculo de beleza, mas que é uma mulher como qualquer outra da vida real. 

Fiquem com o trailer:



Eu super recomendo esse filme, é bem divertido e algo bem construído sobre superação, aprendizado, amizade e Amor.

Vocês já assistiram? O que acharam? Nos conta ai nos comentários.


Beijos..






segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

KINDRED - OCTAVIA BUTLER


Oi Pockets!
Primeiro eu gostaria de agradecer. O ano de 2018 foi de muitos desafios e mudanças. Completamos nosso primeiro ano juntos. Gostaria muito de ter tido a oportunidade de fazer mais aqui no blog, confesso que alguns projetos pessoais foram adiados. Mas no fim das contas foi um bom ano.
Durante o ano tive a oportinidade de criar e partilhar com outros leitores, através do Clube do Livro de Neves redes sociais e tambem blogue,  vários projetos. Entre eles a Leitura Coletiva.
Sempre digo que, apesar de ter iniciado o grupo, ele se tornou especial por causa dos participantes que foram sendo reunidos ao longo das leituras.
Hoje o grupo já conta com  mais de 50 participantes bem ativos. 
Hoje eu vim falar de um livro que teve uma votação incrivel. O livro chama KINDRED da autora Octavia Butler. 


Título: Kindred
Autora: Octavia E. Bulter
Editora:Morro Branco
Ano:2017
Nº Páginas:432
Classificação:5

O livro foi uma bela surpresa pois eu não costumo ler ficção científica , este livro é. Tem viagem no tempo e tudo.



Octavia E. Bluter é uma escritora afro-americana nascida na Califórnia-EUA em 1947. Durante a infância ela teve e superou a dislexia. Começou a escrever aos 10 anos, se tornou conhecida por escrever ficção científica feministra  e abordar o racismo em suas história. Infelizmente a autora faleceu em 2006.

"Comecei a escrever sobre poder, porque era algo que eu tinha muito pouco."

O livro lido na Leitura Coletiva de dezembro foi publicado pela primeira vez em 1979. E conta a história de Dana, uma escritora negra casada com um também escritor (branco), que de repente começa a viajar no tempo para o ano de 1815 em uma américa onde ainda havia escravidão.
Logo nos primeiros capítulos a autora já começa a nos explicar os motivos que fazem com que Dana viaje no tempo, ela tem de garantir a continuidade de sua linhagem familiar evitando que o patriarca Rufus morra.

"Agora eu tinha certeza. O garoto me atraiu de alguma forma quando se meteu numa encrenca maior do que era capaz de resolver."


Estas viagens vai se repetindo ao longo do livro em todos os momentos em que Rufus se vê em uma situação potencialmente mortal.
Apesar de a forma como a viagem se realiza não ficar clara na história a autora escreve de forma envolvente e sensível. Você é capaz de se colocar no papel da Dana, que se vê como escrava, passando por vários sofrimentos psicológicos e físicos. 

"A principio, fiquei paralisada, incapaz de me mexer nem de me defender, mesmo quando ele começou a me bater, a me socar. Nunca tinha apanhado daquele jeito antes, nunca pensei que poderia aguentar tanta agressão sem perder a consciência."


Toda a temática envolvendo a escravidão e tratada de forma sensível e com detalhes históricos reais o que contribui para dar mais credibilidade a história.

"Como se os alemães tivessem tentado fazer, em apenas alguns anos, o que os americanos praticaram por quase dois séculos. "


A passagem de tempo vai te dar a oportunidade de presenciar este ancestral, Rufus, em vários momentos da vida. E a gente torce sempre para que ela fique segura e possa influenciar de forma positiva na história. Outro ponto auto da história e a forma como o preconceito também é apresentado no tempo presente, 1976, e ela relata um pouco de como os casamentos interraciais eram encarados pela sociedade. Neste ponto, palmas para o Kevin, o personagem casado com a Dana é cativante, deixando o leitor com vontade de saber mais sobre ele.

" ... Você não precisa bater nas pessoas para trata-las com brutalidade."



Eu me envolvi muito com a trama, por várias vezes os sofrimentos relatados me levaram a refletir sobre o comportamento humano, e como se tratava de um leitura coletiva pode compartilhar minhas angústias com os outros leitores o que deixou a experiencia ainda melhor.
Se você ainda não conhece as obras desta autora eu super recomendo que você de uma chance pois com certeza vai gostar.
Prepare os lencinhos pois esta foi uma leitura que me fez chorar.

"Todas as lutas são, essencialmente, lutas sobre poder."

E você já leu alguma coisa desta autora?
Me conta aí nos comentários se leu, o que achou, se ficou curioso.
Aproveita e vem participar das nossas leituras coletivas. Todo mês um livro diferente escolhido por votação no grupo do whatsapp com debates e metas semanais.
Beijos...



quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

A VERDADE SOBRE AMORES E DUQUES - HORA DO CHÁ

Olá Pockets!

Tudo bem com vocês? O inicio do ano começou, e espero que seja repleto de leituras incríveis para vocês. Esse livro foi lido ano passado, mas é uma leitura divertida que vou dividir com vocês.
Não conhecia a autora, mas a escrita flui bem e com diálogos bem divertidos, e com reflexões interessante.
“ - (…) Tudo o que Lady Truelove lhe diria, de qualquer forma, é para seguir seu coração e me amar. Ame-me, Henry, case-se comigo e me ensine a ser a melhor duquesa possível para que possamos, juntos, cuidar de nossas famílias e tornar o mundo um lugar melhor.”




Título: A Verdade sobre amores e duques
Autora: Laura Lee Guhrke
Editora: Harlequin
Ano:2018
Nº Páginas:320
Classificação: 4

SINOPSE: 
Henry Cavanaugh, duque de Torquil, anseia por uma vida ordenada e previsível. A única que o ajuda com isso era a mãe... até ela se apaixonar por um artista e decidir seguir o conselho amoroso de Lady Truelove, largando tudo para seguir os desejos do coração. Agora Henry vai exigir que a mulher mexeriqueira que deu aquele conselho imprudente o ajude a impedir que o nome da sua família acabe na lama. Irene Deverill é o que a sociedade londrina considera uma ovelha negra: dirige o jornal da família, é uma solteirona e tem orgulho disso! Mas ninguém sabe que ela possui um grande problema nas mãos: o duque de Torquil demanda que ela o ajude a resolver os problemas da sua família. Esse relacionamento forçado fará despertar nela sentimentos que nunca pensou possuir.

RESENHA:

A história começa com o Duque Henry Cavanaugh, que descobre na mesa de café da manhã, que sua mãe fugiu, e que pretende casar-se com um artista italiano, o que o deixa furioso, além de pensar no que as irmãs iram sofrer da sociedade caso isso realmente aconteça. Henry é um duque, que realmente se preocupa com a família, e acaba sendo muito liberal até, em relação a algumas situações dos membros da família. 

Henry descobre sobre o caso da mãe numa coluna de jornal, a qual a Lady Trulove dar um conselho para a mesma seguir seu coração. E com isso Henry vai até o jornal para tirar satisfação e qual sua reação ao descobrir que a responsável é Irene Deverill, que além de ser mulher, sufragista e criou as colunas de fofocas e uma no qual ela dá conselhos amorosos sob o pseudônimo de Lady Truelove.
"Quando se semeia ventos, srta. Deverill, deve-se estar sempre preparado para colher as tempestades."
Henry exige que Irene de um conselho contrário a sua mãe, para que ela possa desistir da ideia de casar, porém Irene não concorda e defende o direito da mãe dele, decidir sua própria vida, já que a mesma é viúva e independente. Mas Henry, não aceita, e diz que irá usar de todo seu poder como Duque e nobre para destruir o jornal. Mesmo assim Irene, não desiste.

Porém Henry acaba fazendo uma jogada de mestre, pois ao falar com pai de Irene que é alcoólatra, e concorda que ela e Clara sua irmã mais nova deva ser inserida na sociedade e perdoada pelas atitudes da mãe dela, e restabelecer o contanto com a família da mãe que é bem vista pela sociedade, o pai aceita vender o jornal para o Duque. Porém Henry faz uma proposta a Irene, que ela fique duas semanas na casa dele, e convença a mãe dele a mudar de ideia, se ela conseguir ele não compra o jornal.
"Estar na presença do duque já era algo complicado quando ele era difícil. Quando era amável, era devastador."
E nesse caso, já percebemos que não vai da muito certo, porque Irene não é de ficar calada, e fala o que lhe da vontade, sem se preocupar com o que os outros irão dizer, principalmente Henry, porém ela acaba mudando um pouco a atitude por Clara, que sonha em participar dos bailes e festejos da sociedade.
E a convivência com Henry vai acabar explodindo numa verdadeira atração, pois mesmo que Irene tenha uma língua afiada, mas que ela é uma mulher responsável, que coloca seu desejos atrás do da irmã e está sempre disposta a escutar e ajudar quem precisa. E Irene percebe, que Henry não é só um duque arrogante, mas uma homem que valoriza a família, que faz o possível para que todos sejam felizes, mesmo quando acha que sua opinião é a mais aceitável para cada um dos membros da família.  
“- Amamos quem amamos, Henry. O amor não pode se curvar à vontade pessoal.” 
Henry e Irene são dois personagens que são íntegros, que são apaixonáveis. Cada um tem seu encanto. Henry mesmo não mostrando tem um coração imenso e Irene tem esperança de encontrar um amor. Os diálogos dos dois são sempre divertidos e a gente sente a atração entre eles.
O que achei interessante, é que nessa leitura a autora coloca muito o mocinho Henry com muito pudor, e em relação a Irene mais liberal, mas acredito que seja muito por Irene ser feminista e lutar por seus direitos de igualdade. 
"O sorriso de Irene se alargou, e Henry sentiu o calor penetrar nele, acomodando-se em seus ossos e provocando um prazer oriundo não apenas do desejo, mas de algo mais intenso e profundo que ele não tinha certeza se queria explorar."
Embora seja um romance de época, a autora foca em temas bem realistas e que forje de como o assunto era visto naquele período, pois ela coloca uma personagem já com um pensamento feminista e bem firme nos seus pontos.

Uma relação entre classes sociais diferentes, assim como toca no caso de uma mulher viúva ter um amante, que não era bem visto pela sociedade, embora um homem pudesse manter seus casos. E o mais interessante é por uma personagem que trabalha, e nessa época as mulheres eram vista apenas como donas de casa. 
"-Eu pretendo marchar nas ruas e lutar pelo voto feminino sempre que tiver a chance - respondeu Irene. - Mas, no momento, administrar o jornal toma todo o meu tempo."
Esse livro tem uma história excelente, um romance de época para não colocar defeito. A escrita da autora flui muito bem, além de uma diagramação ótima da editora Harlequin. 
Super recomendo a leitura. E aproveite e leia com um xícara de chá e uns biscoitos de maisena, para alegrar sua leitura.
“- (…) Não importa o que diga, ou como queira definir o sentimento, você a amava e, para mim, o amor nunca é um erro, mesmo que traga dor ou não dure.”
Beijos até mais... 

domingo, 13 de janeiro de 2019

RESOLUÇÕES DE ANO NOVO - POUPAR


Oi Pockets!!!
Hoje começamos nossa primeira resolução de ano novo. Poupar.
No livro "Pai rico pai pobre" encontramos a seguinte afirmação:

"Há uma diferença entre ser pobre e estar quebrado. Estar quebrado e algo temporário, ser pobre é algo eterno."

Todo mundo sabe que é muito difícil economizar. As vezes a gente acha que para começar a poupar é preciso ganhar muito. Mas como já diria Robert T. Kiyosaki  e Sharon L.  Lechter...

"(...) só posso advertir que, a longo prazo, não importa tanto quanto você ganhou mas o quanto você conservou (...)"

Nossa educação na escola preoculpa-se muito com o acadêmico e bem pouco com a educação financeira. Desde cedo somos estimulados a ganhar muito, mas também a gastar muito.

Então vamos começar com uma idéia bem simples que pode te ajudar a começar a aprender a poupar.
O desafio de 52 semanas. Este desafio é  bem simples e consiste em poupar semanalmente um determinado valor, podendo começar com apenas um real.
Na 1° semana você poupa um real.
Na 2° semana você poupa dois reais
Na 3° semana você poupa três reais.
Ou seja a cada semana você acrescenta mais um real ao valor anterior como na tabela a baixo.



E claro que o desafio aqui não é apenas economizar o valor mínimo de R $1.378,00 e sim que você adquira o hábito de poupar.
Porém se você tiver algum objetivo maior, como trocar o celular, fazer uma viajem o ideal é que comece com um valor maior.
Vou deixar aqui o link para você baixar a planilha. Para alterar o valor, basta mudar o valor na planilha onde está R$1,00 o restante mudará automaticamente. 
Importante lembrar que você até pode guardar o dinheiro em um porquinho em casa, mas o ideal é que guarde na poupança no banco. Pois ao longo do tempo o dinheiro perde valor. Então o que você compra com R$1,00 em Janeiro já não irá comprar em Dezembro. E na poupança você terá a vantagem do rendimento, que mesmo sendo pouco valorizará suas economias.

E aí já conhecia este desafio?
Que tal começar aquela poupança para a viajem de final de ano?
Me conta aí nos comentários o que achou.
Beijos...






quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

DESAFIO LITERÁRIO 2019 - JANEIRO


Oi Pockets!!!
Chegou 2019 e sabe o que chegou também? Um novo ano de desafios literários. Isso mesmo, estamos de volta com uma planilha novinha de desafio literários para você tirar o pó dos livros que estão parados aí na sua estante.
Como sempre a ideia é você escolher, entre os desafios do mês, três livros que estão parados na sua estante a muito tempo. Mas se não der para ler os três tudo bem, leia dois ou ate mesmo um o importante e você participar.
Então vamos conhecer os meus escolhidos este mês de janeiro para a TBR.


01 - Um livro do seu autor favorito - Persuasão Jane Austen
Eu tenho mais de um autor favorito, mas desde o ano passado após iniciar a leitura coletiva com o pessoal do DNA Literario confesso que ela vem ocupando um lugar entre eles. Nossa queridissima Jane Austen! Este mês a leitura é do livro Persuasão. Que é tido por vários leitores como o melhor livro da autora. No meu ❥ O&P ocupa um lugar especial Então veremos se ele consegue me arrebatar. Prometo uma resenha com chá ara falar o que achei dele.

02 - Livro que você escolheu pela capa - Rainbow M.S. Fayes
Desde de que ela participou no nosso quadro Meu autor nacional aqui no blog (confira a entrevista aqui) esta autora me ganhou. E esta capa eu já amava muito antes de saber quem era a autora. Então vamos ver se a historia e tão linda quanto parece.

03 - Um livro de capa Branca para o ano novo - It a coisa Stephen King
Este livro será uma leitura coletiva que estamos organizando aqui no blog. Claro que não vai dar para terminar a leitura em janeiro. Mas ta valendo já que a capa é branca rsrsrsrs
Já temos um cronograma de leitura e uma gruo no Whatsapp e você também pode participar e só entrar em contato com a gente.

E como o ano está só começando temos muito mais, pois não ficaríamos de fora das leituras coletivas organizadas pelos nossos amigos literários, confere aí um pouquinho delas:



E também a nossa leitura coletiva do mês que este mês será do livro "O jardim das borboletas".


Se você a quiser conhecer todos os desafios do ano é só baixar a planilha e já ir organizando as suas leituras. Se ler algum dos desafios não se esqueça postar nas redes socais e de colocar a #DesafioLiterario2019CP para eu curtir.
Beijos...

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

DIARIO DA LEITURA - IT A COISA - STEPHEN KING


Oi Pockets!!!
É isso aí animados para mais uma leitura coletiva???
Nós estamos super animados e também morrendo de medo.
Então, a leitura da vez será a seguinte. Vamos ler o livro It a coisa do Stephen King. Este projeto está sendo feito em parceria com o Bruno do Canal "Mundos das leituras".
Fizemos um cronograma de leitura semanal para não atrapalhar todas as outras leituras, mas também nos permitir ler este livro maravilhoso.



Ao final da leitura coletiva ainda iremos assistir as adaptações feitas para as telas e se der comparar livro e filme/série.




Para ficar por dentro desta leitura você pode acompanhar aqui no blog uma postagem todo mês, instagram e tambem no canal do youtube "Mundo das Leituras".


E se quiser ler com a gente é só mandar uma mensagem para gente.
E tem mais galera, ao final da leitura, será sorteado um livro do It a coisa para quem participar dos debates e não tenha o livro fisico.

Beijos...