quinta-feira, 20 de setembro de 2018

JUNTANDO OS PEDAÇOS - JENNIFER NIVEN

Boa Noite, Pockets!!
Tudo bem? Espero que sim. Já faz um tempo que li esse livro, mas ele é tao amorzinho, que decidi compartilhar com vocês.
A resenha que irei fazer hoje, é de uma autora que adoro o outro livro dela, que é maravilhoso chamado Por Lugares Incríveis (Leiam esse livro ;) ).


Fonte: Skoob
Título: Juntando os Pedaços
Autora: Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Ano: 2016
Nº Páginas:392
Classificação: 5

Sinopse:Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso — até o dia em que ele encontra a Libby. Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.

RESENHA:

O livro conta a história de Libby Strout uma adolescente de 16 anos, que depois de alguns anos volta para a escola, e para cursar o temido ensino médio. Libby mora com o pai, pois sua mãe faleceu quando ela tinha 10 anos, além disso, sofria bullying.
Então desde a morte da mãe sua fobia começou, o medo de morrer de repente a deixava sem ar, e com isso também veio um vazio, que a fazia comer de tudo, tanto que Libby acabou por não sair mais de casa, ficar apenas no seu quarto, pois engordou muito e ganhou o título de adolescente mais gorda dos EUA, e que teve que ser resgatada em casa.
Devido esse acontecimento, Libby teve que passar por um tratamento para emagrecer, e depois de 2 anos e 136kg mais magra, retorna à escola, onde passará por um grande desafio de conviver com algumas pessoas que já conhecia e os novos colegas.
“ Até o fim da vida, tem sempre alguma coisa esperando, mesmo que seja uma coisa ruim, que você sabe que é ruim, o que você pode fazer? Não há como parar de viver. (Truman Capote, A sangue-frio) ”. p. 22


E o livro também fala de Jack Masselin, um jovem de 16 anos, que é negro, mas tem estilo e fala com todos os grupos e é popular entre os colegas, e namora (idas e vindas) a líder de torcida Caroline.
Jack aparenta para todos ser feliz consigo mesmo, mas não sabem que ele esconde um segredo, e que nem a família dele sabe. Jack não reconhece as pessoas, nem seu próprio rosto no espelho, assim como nenhum membro da sua família, mesmo que seja seus entes queridos. Além disso, Jack descobre que seu pai tem uma amante, e mesmo após todo o tratamento de câncer que ele passou e sua família, principalmente a mãe de Jack que ficou ao seu lado, o fez desistir desse caso, que faz com que Jack tenha um ressentimento muito grande de seu pai. E seu irmão mais novo é um pouco diferente, e Jack tem medo que ele sofra bullyng na escola.
“ Às vezes as pessoas simplesmente fazem merda. Às porque estão com medo. Às vezes elas escolhem fazer merda com os outros antes que possam fazer merda com elas. É uma forma de autodefesa de merda” p. 97

A vida de Libby e Jack vão se cruzar, após o amigo de Jack inventar uma brincadeira boba, mas que vai mudar e unir a vida dos dois.  A brincadeira consiste em quem consegui ficar abraçado mais tempo com a gorda, primeiro Jack acha isso bobagem, mas com medo de ser zoado e que descubram sua farsa, Jack acaba abraçando Libby no meio do refeitório da escola, onde começa uma verdadeira loucura, onde Libby no início fica paralisada, mas depois reage e dar um soco na boca de Jack, que não sabe o que aconteceu e acaba caindo.
Depois de muita gozação dos alunos, os dois acabam sendo levados a diretoria e seus pais são chamados.  Os dois vão cumpri detenção, Libby por pichar patrimônio da escola e Jack por praticar bullying.
"Tantos comentários maldosos e desagradáveis e bullying disfarçados de Só estou dando a minha opinião, como a Constituição do nosso país maravilhoso permite que eu faça. Se você não gosta, não leia". p. 106

A história é intercalada, pois em cada capítulo vemos a rotina e sentimentos de cada personagem, onde podemos ver o que cada um enfrenta no dia a dia. E nos encontros da detenção, conhecemos um pouco mais deles e outros que também estão na detenção. A maneira que Jack e Libby acabam se tornando amigos, é super bacana, pois não foi algo forçado, foi construído a partir da percepção que eles tinham coisas em comum, que a vida deles já tinham se cruzados antes, mas aos poucos eles descobrem isso, além de que eles podem se ajudar. 
Libby acaba incentivando Jack a procurar um especialista sobre sua doença, assim como Jack ajuda Libby a encontrar sua força interior. E não é fácil, pois Libby recebe várias cartas em seu armário a xingando (gorda, balofa, que é feia, ninguém a ama, etc.) e isso poderia fazer com que ela desistisse do seu sonho de ser dançarina, mas são contra esses ataques que ela percebe que precisa mostrar a todos que isso não a define. Assim, como Jack percebe que quem realmente gosta dele, vai continuar do lado dele, mesmo que ele não os reconheça todos os dias. 
"Estamos de vendo (...) Você não pode se esconder das suas colegas! Mas quem se importa? Você é linda! Todos nós somos! Nosso corpo é maravilhoso e não deveríamos ter vergonha!" p. 307

A autora Niven, sempre toca em feridas abertos, e não tem medo de cutucar essa ferida, pois é isso que se trata essa história, da ferida do bullying, do preconceito e do medo, de ser você mesmo. Porque as pessoas se preocupam tanto com a vida dos outros e ficam xingando, ofendendo e magoados os outros, que na maioria das vezes nem sabe quem é a pessoa, como realmente essa pessoa é. As pessoas esquecem que a pessoa que eles estão julgando, tem sentimentos e que isso fere, e palavras muito mais que agressão física. 
"Se todo mundo que tem alguma coisa pra falar de mim passasse todo esse tempo, sei lá, sendo gentil ou desenvolvendo uma personalidade ou uma alma, imagine como o mundo seria." p. 107
Eu concordo tanto com essa frase, porque realmente o mundo seria muito melhor se todos em vez de falar mal dos outros, fosse gentil e respeitasse a diferença do outro. As pessoas precisam entender, que somos pessoas com sentimentos, pensamentos, criação e culturas diferentes, então não tem como sermos iguais. 
A autora te faz refletir de um jeito, que você quer transformar o mundo e que você quer ser uma pessoa melhor, para não julgar antes de conhecer, e mesmo depois apenas aceitar as diferenças. Ela parte seu coração, e realmente vai juntando os pedaços com o decorrer da história.
Essa história é maravilhosa, e te faz refletir do início ao final, te mostra que pequenos gestos são tão fáceis para sermos uma pessoa melhor e que ela nos faz aceitar quem somos, mesmo com nossas falhas. E que não importa como você seja, alguém sempre vai amar você. 

Beijos até logo. <3


domingo, 16 de setembro de 2018

PAX - SARA PENNYPACKER

Oi Pockets,


No mês de Julho a leitura rendeu bastante. Deu para colocar muita leitura em dia. Uma das leituras que fiz este mês foi bem especial pois faz parte do livro viajante do Clube do livro BH, Pax da autora Sara Pennypacker.

Fonte: Skoob
Título: Pax
Autora: Sara Pennypacker 
Editora: Intrínseca 
Páginas: 288
Gênero: Ficção
Lançamento: 01/07/2016

Sinopse: Peter e sua raposa Pax são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas. Alternando perspectivas para mostrar os caminhos paralelos dos dois personagens centrais, Pax expõe o desenvolvimento do menino em sua tentativa de enfrentar a ferocidade herdada pelo pai, enquanto a raposa, domesticada, segue o caminho contrário, explorando sua natureza selvagem. Um romance atemporal e para todas as idades, que aborda relações familiares, a relação do homem com o meio ambiente e os perigos que carregamos dentro de nós mesmos. (Skoob)

"EU NÃO TENHO NENHUMA VERDADE MAGICA PARA GUIAR VOCÊ. A VIAGEM É SUA NÃO MINHA."

RESENHA:

Sabe aquele livro que vem tão recomendado que quando você pega para ler tem até medo de se decepcionar?
Pax pra mim foi assim! Estava a vários meses esperando chegar a minha vez de ler este livro pois ele faz parte do projeto livro viajante do Clube do livro de BH e a fila de espera é bem grande. Mas a espera valeu a pena!!!

                      

Quando Peter perdeu a mãe, em um trágico acidente, tinha apenas sete anos. Passou a viver apenas com o pai. Um homem fechado que não sabe como lidar com o filho. Peter começa a fazer terapia para lidar com a perda sem grande sucesso. Até que certo dia encontra na floresta perto de casa um filhote de raposa e o leva para casa. Eles passam então a ser melhores amigos.

"Pax amava seu menino, mas, acima disso sentia se responsável por ele. Tinha o dever de protegê-lo. Quando não podia cumprir este papel, a raposa sofria."

A história se inicia quando o pai se alista para uma guerra que se aproxima, e Peter é obrigado a se separar de sua raposa Pax e devolve-la a natureza.
 Peter nunca antes havia se separado de sua raposa e apesar de muito triste acata as ordens do pai e a deixa em uma mata próxima a estrada a caminho da casa do avô Onde deverá ficar até o retorno do pai. 

"Não estou com raiva. É que eu não escolhi isso. Não fui eu que quis essa guerra. Não fui eu que fiz meu pai se alistar. Não escolhi ir embora de casa não escolhi morar com meu avô. E é claro que não escolhi abandonar o bichinho que ficou cinco anos comigo."

Pax por sua vez se sente responsável pelo seu menino. Sempre cuidou dele e confia plenamente em seu menino. A separação e dolorosa para ambos. Mas é neste ponto que começamos a conhecer toda a história da raposa e seu menino.
Pax foi resgatada por Peter ainda filhote e não sabe como viver na natureza. O cheiro de gente nela e tão forte que ela é rejeitada pelas raposas que habitam a mata Onde foi deixada. Peter por outro lado ao chegar à casa do avô sente que nunca deveria ter deixado sua raposa e temendo por sua segurança em meio a guerra foge da casa do avô para buscar sua amiga.

                       

O caminho que os levará de volta um ao outro está cheio de perigos e aprendizados antes de se reencontrarem.  

"Os pedidos de desculpa nunca restauram os danos"

Apesar de ser um livro infantil, este é daqueles livros que a gente tem vontade de ter na estante para reler a historia, que vai muito além de amizade, sofrimento, autodescoberta, separação e família. Este livro tem ensinamentos que te deixam refletindo depois de concluir a leitura.
Peter deve aprender a moldar seu caráter como se molda a madeira. Pax irá aprender que não era uma raposa completa até estar livre.
Apesar de ter achado o final um pouco corrido e tambem querer um pouco mais do desecho da historia eu super recomendo, pois foi uma experiência maravilhosa.
Me conta ai nos comentários se você já leu? Se já conhecia a história?
Deixa amor aí.
Beijos!!!




quarta-feira, 12 de setembro de 2018

MEU AUTOR NACIONAL - TATIANA PINHEIRO

Oi Pockets!

Já faz algum tempo que não fazemos este post sobre autores nacionais. Mais em minha defesa foram dias corridos com a ida a Bienal e tantas outras atividades.
Porém foi exatamente durante a bienal que tive o prazer de conhecer a Tatiana Pinheiro. Nosso encontro lá foi bem rápido, mas a impressão foi tão boa que resolvi convida-la a participar deste nosso post para ter a oportunidade de apresentar as nossos leitores que por ventura ainda não a conheçam.

A Manauense (isso mesmo não e Manauara) Tatiana Pinheiro tem 25 anos, mas ainda é só uma menina que gosta de assistir desenhos. Ela é nascida e criada em Manaus, e conforme nos contou apesar de imaginar muito como seria morar em outro lugar não consegue se imaginar saindo de sua calorosa e linda cidade.

"(...) tenho exatos 25 anos, quando preciso, mas às vezes sou uma menina de 15 anos que só que assistir desenhos, por favor, não me julguem por isso!"

Para a Tatiana o despertar literário ocorreu na 8ª quando uma professora de literatura pediu uma historia de cinco páginas.

"Me lembro de estar cursando a 8° Série, e minha professora de Literatura, nos pedir uma história de até cinco páginas. Devo afirmar que, já tinha dedos nervosos nessa época, acabei criando uma história de mais de vinte páginas. Foi minha “primeira história”. E depois de alguns anos, acabei ampliando e nasceu mais um livro meu - Ouvindo Você"

Apesar de achar difícil classificar os próprios livros, pois falam de vários assuntos, ela sabe que suas historias não são exatamente recomendadas para menores de 15 anos. Seus últimos livros saem um pouco da literatura adulta para o newadult que ela esta gostando bastante.

"Claro, existem cenas que não recomendo para menores de quinze anos, mas se gostarem, porque não?"

Escrever e conquistar o mercado editorial não é fácil, perguntamos  qual o maior obstaculo ela tem enfrentado.

"O que eu vejo, é a falta de atenção dos próprios leitores. No Brasil, os acadêmicos ainda são a maior parte de “leitores” que controlam o mercado. Assim como as editoras que ainda não enxergam aqueles autores mais vendidos da Amazon. Isso abriria um enorme espaço para nós, autores independentes."

Para suavizar o bate-papo,  queremos saber de musica e sua influência na escrita.

"Sempre tenho uma playlist para cada livro. Depende muito do que estou escrevendo também, se a cena é mais tensa e misteriosa, estou com Adele gritando em meu ouvidos. Se for mais engraçada e cheia de diálogos, tenho Coldplay me ajudando. Mas sim, música é essencial para escrever."

Como sempre bate aquela curiosidade de saber se ela inspira seus personagens em alguém. Segundo a Tatiana se isso acontece não é de forma proposital apesar de ela reconhecer que alguns gostos e preferencias acabam indo para o livro.

Apesar de Jovem Tatiana Pinheiro já tem oito livros publicados e o nono, Desejo Infernal, deve sair até o final do ano.

Série Os Hamiltons:
Sem Regras   Marcada Por Você    Doce Desejo     Luxúria Avassaladora   Desejo Infernal
E os livros únicos:
                 Fora de Si   Ouvindo Você   Entre no jogo   Na duvida fique comigo

Com tantos livros publicados claro que a gente ia perguntar qual era o preferido dela.
"Você não pode me fazer esse tipo de pergunta, rsrsrs.
Sempre há algum que me tira lagrimas, outro que foi rápido e divertido. Acho que o preferido é sempre o que está sendo construído no momento. Mas tenho um carinho especial por Ouvindo Você."


Para fazer a divulgação dos seus livros a autora utiliza as redes sociais, que segundo ela ajuda muito, além de estar sempre de olho em outras meios de divulgação.
Tatiana se sente muito bem recebida pelos novos leitores, seu publico gosta de novas historias, novas formas de imaginar e sentir. Para o futuro a autora promete muitas coisas boas, pois apesar de estar fechando um ciclo, ela continuara a abordar assuntos importante.
O que começou como um hobby se tornou um trabalho e por isso Tatiana está sempre buscando novos meios de aprimorar sua escrita.


Como meu primeiro contato com ela foi na Bienal de SP, perguntei como foi esta experiência.
"Como sempre, Bienal é um evento muito especial. Além de ter contato pessoal com os leitores, conhecer outras pessoas e contatos, o evento em si, é um momento bem especial.
A cada ano, os leitores estão mais chegados, e muito atenciosos para os autores nacionais.
E isso faz com que o maior evento do Brasil, se torne mais inesquecível."


PING PONG:
Cor: Azul, sempre azul
Filme: A maldição de Aquila
Serie: Game Of Thrones
Musica: Depende do meu estado de espírito
Cantor(a): Tantos e muitos outros
Raiz ou Nutela: Um pouco dos dois.
Dia ou noite: Noite
Frio ou calor: Calor
Livro físico ou e-book: Ambos
Casar ou comprar uma bicicleta:  Não estou pronta para responde isso.
Ficção ou Não-ficção: Ficção

Para ficar por dentro de todas as novidades da autora é só seguir e acompanha-la nas Redes Sociais:


Esta foi a nossa autora nacional Tatiana Pinheiro, uma escritora que sabe contar suas historias com muitos detalhes e sentimentos.
Adorei ter conhecido ela na Bienal e poder compartilhar com vocês
Se você também gostou, deixa amor nos comentários
Beijos e até a próxima!!!






domingo, 9 de setembro de 2018

A SOCIEDADE LITERÁRIA E A TORTA DE CASCA DE BATATA

Boa Tarde, Pockets!
Fonte: Google imagens
Tudo bem pessoal? Hoje vinhemos falar sobre um filme maravilhoso que a Netflix liberou recentemente, e que teve bons comentários. E claro como o título fala de leitura e o sinopse também fala de um clube de leitura nos chamou logo a atenção.
O filme não foi todo como esperávamos, mas é muito interessante, e por isso trouxemos para vocês.


Título: A Sociedade literária e a torta de casca de batata
Título Original: The Guernsey: Literary & potato peel pie society
Direção: Mike Newell
Ano de produção: 2018
Duração2h 4m
Lançamento no Brasil: 10 de agosto
Elenco: Lily James, Michiel Huisman, Matthew Goode, etc.
Classificação: 4

Sinopse: Juliet Ashton (Lily James) é uma escritora na Londres de 1946 que decide visitar Guernsey, uma das Ilhas do Canal invadidas pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, depois que ela recebe uma carta de um fazendeiro contando sobre como um clube do livro local foi fundado durante a guerra. Lá ela constrói profundos relacionamentos com os moradores da ilha e decide escrever um livro sobre as experiências deles na guerra.

RESENHA:

A história começa mostrando um grupo se divertido, mas logo são pegos por soldados alemães, e tem que responder o que estão fazendo, e nisso falam que estão fazendo um clube de leitura. Mas são indagados se estão registrado, pois devido a ocupação na cidade de Guernsey, todas as atividades e até mesmo os alimentos deveriam ser registrado para que os cidadãos pudessem ter acesso.

E como forma de não serem punidos, afirmaram que estavam no clube e o nome do grupo ficou Sociedade literária e torta de casca de batata, porque a batata era um dos únicos produtos que estavam na lista dos alemães, e nisso o clube foi fundado, o grupo teve que fazer reunião com participação de um soldado para validar sua atividade, e eles faziam interpretação incríveis das leituras, pois todos eram amantes de leitura, e mesmo que tivessem apenas uma pessoa em comum entre eles, que era a Elizabeth, que era uma defensora ferrenha dos direitos dos cidadãos. 
Fonte: Clube de Leitura (google imagens)
Depois disso a cena muda para outro cenário, e conhecemos a história de Juliet Asthon, que é uma escritora famosa, mas que perdeu os pais na guerra, e percebemos um certo receio de tomar algumas decisões na vida. Mostra ela andando com seu editor e indo a divulgação de seu livro e participando de grupos de leitura.

Juliet embora seja uma excelente escritora, tem em si um pouco de medo e timidez para decidir dar uma passo em frente da sua vida, não consegue decidir onde comprar uma casa, desde que perdeu a sua na guerra e vive numa pensão. Tem um romance, mas não pare ter um amor intenso como seu companheiro. 

E como Juliet, está sem ideias para seu próximo livro, ela acaba encontrando numa carta, que recebe de Dawsey Adams, que vive em Guernsey, uma chance de escrever seu livro e com uma história incrível, devido ao clube de leitura, que foi criado na guerra.
Fonte: Desfile dos soldados (Google imagens
Juliet acaba indo para Guernsey, mesmo sem convite, e nisso acaba conhecendo o vilarejo de Guernsey e seus habitantes, em especial os integrantes do clube de leitura, ela inicia com a participação no clube e com interpretação de alguns clássicos. O debate e as obras citadas no filme são excelentes, e ver a discussão entre eles sobre as leituras é uma declaração de amor aos leitores.

Mas nem tudo são flores, Juliet acaba se aproximando de Dawsey, e mesmo existindo uma ligação não podem se envolver, pois Juliet está noiva e Dawsey e seu grupo esconde um secreto. Juliet ao perceber, acaba por começar uma investigação sobre o que realmente aconteceu com Elizabeth, já que os outros membros do grupo não falam. 
Fonte: Divulgação do livro e participação em clube de leitura (Google imagens)
A história narra de forma leve a questão da guerra, expondo alguns relatos e cenas quando contado por Dawsey e lembrada por Juliet, embora saibamos que esse período foi triste e violento. Juliet encontra  em Guernsey uma realidade diferente da sua e encontrando amigos.

O filme mostra a aproximação de pessoas, que não tinha nada em comum, mas que através da leitura se aproximaram e que acabaram dividido seus gostos literários, e que mesmo com o impacto da guerra, tentaram criar um "mundo" onde tivessem uma paz do que estava acontecendo.


O filme é muito bom, embora para o tempo do filme, acredito que faltou falar um pouco mais sobre o que a guerra acabou trazendo para os integrantes do clube, faltou explorar um pouco mais alguns personagens. Mas a diagramação e o conteúdo sobre as obras literárias estão incríveis.
Fonte: Skoob - Capa do livro publicado em 2009, pela Rocco



E não sabíamos, mas quando foi realizada uma pesquisa sobre o filme, descobrimos que tem o livro com o mesmo nome do filme e que é escrito por duas autoras (Mary Ann Shaffer e Annie Barrows).
E mais interessante ainda é que a autora Mary Ann faleceu em 2008, aos 73 anos e não viu o sucesso que seu livro teve, e nem conheceu essa adaptação maravilhosa do seu livro.
"A sociedade literária e a torta de casca de batata recupera um mundo que se perdeu entre os escombros da guerra, feito de camaradagem e solidariedade, delicadeza e simpatia. Nele, a guerra – e a morte – é vencida por um batalhão de personagens igualmente sensíveis e sedutores, que conduzem os leitores pelas mãos, através de um narrativa, humana e marcadamente feminina, até o fim."

Espero que tenham gostando, e super indicamos o filme e para quem tem interesse procure também o livro.

Fique com o trailer do filme:


Beijos!!

terça-feira, 4 de setembro de 2018

RESENHA ENCONTRADA- CARINA RISSI

Boa Noite, Pockets!!!


Fonte:Jussara,2018.
Apresentamos o segundo livro da Série Perdida, da autora nacional Carina Rissi, que é um amor de pessoa, Diva e super atenciosa com seus leitores. E que trás personagens divertidos e um amorzinhos.


Fonte: Skoob

Título: Encontrada

Subtítulo: À espera do feliz para sempre
Série: Perdida, V.2
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus
Ano: 2015
N. Páginas: 476
Classificação: 5

Sinopse:Sofia está de volta ao século dezenove e mais que animada para começar a viver o seu final feliz ao lado de Ian Clarke. No entanto, em meio à loucura dos preparativos para o casamento, ela percebe que se tornar a sra. Clarke não vai ser tão simples quanto imaginava. As confusões encontram a garota antes mesmo de ela chegar ao altar — e uma tia intrometida que quer atrapalhar o relacionamento é apenas uma delas. Além disso, coisas estranhas estão acontecendo na vila. Ian parece estar enfrentando alguns problemas que prefere não dividir com a noiva.Decidida, Sofia fará o que estiver ao seu alcance para ajudar o homem que ama. Ela não está disposta a permitir que nada nem ninguém atrapalhe seu futuro. Porém suas ações podem pôr tudo a perder, e Sofia descobre que a única pessoa capaz de destruir seu felizes para sempre é ela própria. Em Encontrada: À espera do felizes para sempre, Carina Rissi traz de volta o mundo apaixonante de Ian e Sofia, nos permitindo mergulhar mais uma vez nesta maluca e envolvente história de amor.

Resenha:
Primeiro continuo apaixonada por Sofia e Ian, são um casal lindo e fofo, embora tenham suas diferenças e que diferenças. rsrs.
E como sempre digo amar é bom, mais não é fácil. Mesmo que o amor seja forte, sempre existiram  desafios para que o amor seja pleno. Temos sempre que buscar a paz do amor diariamente. 
Sofia veio do futuro para o século dezenove, e tem costume e ideias totalmente diferentes deste século, pra ela mulher tem que trabalhar para conseguir seu sustento e ajudar na despesa da casa, elas podem usar calças, pois são mais confortáveis, mas acredita que não precisa de muito para ser feliz. Já Ian é do século dezenove e desaprova boa parte das ideias de Sofia, mas tenta compreender, pois a ama.
Fonte:Jussara, 2018.
Os dois juntos terão que encontrar um meio termo, e a pesar de toda a diferença eles conseguem. 
Sofia é completamente engraçada e determinada. No capítulo que ela vai se confessar é muito engraçado, e mesmo com as dúvidas ela aceita realizar este ritual por Ian. E Ian acaba realizando vários por Sofia.
A pesar do amor entre eles serem inegável, existem os desentendimentos, pois há o choque entre as duas realidades o qual os dois foram criados. Passaram por várias situações complicadas e engraçadas, e tentaram solucionar os problemas. 

Fonte: Google Imagens
A história aborda um tema interessante, que é confiança e sinceridade, pois acredito que se ambos entram numa relação escondendo ou omitido certos detalhes que influência a relação, a relação já começa errada. 
A base para um relacionamento saudável é a honestidade de ambos.
Sei o problema que Sofia passa no século dezenove, pois a mesma possui uma mente futurista e é difícil largar certos hábitos,  e até mesmo no século dezenove ser diferente é considerado uma anormalidade. 
Carina Rissi é uma autora brilhante, pois criou um mundo fantástico e um casal apaixonante. Ela descreve com exatidão as características e caráter de todos os personagens, além de criar personagens "secundários" que são um complemento perfeito para o enredo da história.
A descrição do ambiente e dos costumes do século 19 são excelentes, e possui uma escrita maravilhosa, de fácil compreensão, porém bem escrita e rica em detalhes, além de diálogos super divertidos. 
Fonte:Jussara, 2018.
Nesta nova história de Perdida, podemos perceber que mesmo com as diferenças o amor é mais importante, porém é necessário que ambos estejam preparados para lutar pelo amor, e mostrar a eles mesmo que é possível construir uma união forte e com base na honestidade.

Bom Galera é isso, espero que tenham gostado. E LEIAM esta série, é Maravilhosa, além de ser de uma autora Brasileira. Super indico este livro, muita aprendizagem sobre o século IX e sobre seu próprio eu.

Beijos!!!