segunda-feira, 26 de março de 2018

RESENHA LIVRO VIAJANTE - MEMORIAS DE UMA GUEIXA


Hoje teremos mais uma resenha de viajante, desta vez o livro viajante é o "Memórias de uma Gueixa" e a viagem foi organizada pela nossa amiga Leila que escreve aqui no Blog, e começou em Julho de 2017.
Depois de passar por mim ele ainda fará mais uma parada antes de voltar para casa.
Então bora conhecer esta história?


Título: Memórias de uma Gueixa
Autora: Arthus Golden
Editora: Imago
Ano: 2006
Nº Páginas: 460
Classificação: 

Sinopse: Memórias de uma Gueixa" é um romance fascinante, para ser lido de várias maneiras: como um mergulho na tradicional cultura japonesa, ou um romance sobre a sexualidade, e ainda, como uma descrição minuciosa da alma de uma mulher já apresentada por um homem. 
Seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso - armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens. (Skoob)

Resenha: Quando eu topei participar deste livro viajante confesso que a única coisa que sabia a respeito do livro era que tinha sido produzido um filme dele. Porém como eu não gosto de ler o livro depois de ver o filme acabei me segurando e não vendo o filme para ter uma experiência única. 
Comecei ler a história de forma despretensiosa. Sayuri não me dizia nada, era apenas a segunda filha do segundo casamento de um japonês/pescador já velho e cansado. 

"Já não era mais ou seu rosto, mas parecia muito antes uma árvores com ninho de pássaros em todos os ramos."

A história começa a mudar quando sua mãe fica doente e o pai já muito velho e pobre, concorda em deixa-las sobre os cuidados de uma rico empresário da cidade. Sayuri é uma menina sonhadora que inicialmente acredita que será adotada por uma família rica que irá mudar sua vida. 

"Mordi os lábios e parei de chorar tão depressa que acho que as próprias lágrimas teriam voltado atrás se escorressem pelas minhas faces."

Porém o que parecia um sonho torna-se um pesadelo quando Sayuri e sua irmã são levadas para Kyoto, ela é entregue para ser treinada e se tornar uma gueixa enquanto sua irmã, que é considerada sem a beleza necessária, terá outro destino longe dela. 

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Muito jovem e com uma beleza singular Sayuri terá de enfrentar muitas adversidades para se tornar uma Gueixa e encontrar seu lugar no mundo.

"Temos de usar todos os métodos possíveis para entender o movimento do universo ao nosso redor e marcar nossas ações de modo a não lutarmos contra as correntes, mas movendo-nos com elas."



A historia é toda contada da perspectiva de Sayuri por isso mesmo, muitos acontecimentos que nos são apresentados fazem com que por muitas vezes pensemos como ela e acabamos envolvidos em seus dramas e sofrimentos. 

"Um vida errada não poderia transformar a gente em uma pessoa ma?"

A riqueza de detalhes sobre a rotina de uma gueixa e todo seu universo me deixou muito impressionada, achei incrível o trabalho de pesquisa realizado pelo autor, pois em um dado momento quando é relatado o momento da segunda guerra podemos perceber que ele realmente buscou relatar os sentimentos e aflições daquela sociedade. 

"Levamos nossas vidas como como a água correndo uma colina abaixo, mais ou menos numa direção, até batermos batermos em algo que nos força a encontrar um novo rumo."

Sem deixar que a gente perca de vista e se envolva com a historia da protagonista. 

"Saí cambaleando para o pátio para fugir da minha dor, mas naturalmente não se consegue fugir do sofrimento interno."

Gosto muito desta proposta de livro viajante da qual participo desde 2015, por me tirar da zona de conforto. Faz com que eu me aventure por historias e escritores que não estou naturalmente condicionada a ler, me dando a oportunidade de me deparar com livros e historias fantásticas como esta. 

"Uma mente perturbada pela dúvida não pode se concentrar no curso da vitória."



Como ainda teremos outros leitores deste viajante não vou contar muito sobre o livro para não dar spoiler e deixar que as próximas a ler  possam se surpreender com esta linda e emocionante historia.

"A adversidade é como um longo vento forte. Não quero apenas dizer que ela nos afastar de lugares aonde poderíamos ir, mas também arranca del nós tudo, menos as coisas que não podem ser arrancadas, de modos que depois nos vemos como realmente somos, e não apenas como gostaríamos de ser."

Achei que a melhor forma de te convencer a a colocar este livro  na sua TBR seria através dos seus quotes. Que é uma forma muito persuasiva de despertar o interesse da maioria dos leitores, mas se você ainda assim não ficar curioso pela história esta última frase talvez o faça ficar...

"Acho que ninguém pode falar da dor enquanto ainda sofre."

Beijos...
Até a próxima...



quarta-feira, 21 de março de 2018

RESENHA LIVRO VIAJANTE - DIAS DE CHUVA


Oi gente!!! Como vocês estão? Espero que bem!

Tenho tido pouco tempo para resenhar os livros que ando lendo. E não tenho compartilhado com vocês a minha opinião, mas hoje eu voltei para falar de um livro muito bacana que acabei de ler. “Dias de Chuva” da Autora Carolina Mancini. Primeiro vamos a uma apresentação do livro e depois a minha opinião.

Título: Dias de chuva
Autora: Carolina Mancini
Editora: Estronho
Ano: 2016
Nº Páginas: 324
Classificação: 4
  
Sinopse: Se neste mundo existissem bruxas e feiticeiras, se existissem criaturas das trevas, matis e visagens e estivessem todos escondidos entre os prédios, na miséria e nos nossos sonhos, as escolhas seriam tão diferentes do que conhecemos?
Julia nasceu no cerne de uma família desestruturada, fruto de vícios, fome e pobreza, mas também nesse mundo, onde a magia se esconde. Ainda criança, conhece Audrick, um jovem soturno e misterioso, que vendo nela um grande dom, intervêm em sua família criando planos e moldando seu destino. Porém, na margem desse caminho, Vânia, tio de Audrick (um homem pérfido e aliciador de jogos de azar) também escreve a trama. Com o tempo, a garota descobre seus próprios segredos e mistérios, até que precisará enfrentar seu maior e mais poderoso rival.
Esta é uma história sobre humanidade, sobre caminhos e destino. Sobre busca e abandono. Sobre encontrar e perder-se. Sobre plantar e colher. (Skoob)

Resenha: O livro chegou as minhas mãos através do projeto livro viajante da minha querida amiga Lua do Blog Caderno da Lua. Antes mesmo de ler a história eu tive a oportunidade de conversar com a autora Carolina Mancini que nos concedeu uma entrevista que você pode conferir aqui no blog.
Confesso que fantasia não é meu estilo de leitura favorito por isso raramente me disponho a ler. Mas quando é uma amiga que te convidando para ler o livro de uma autora super simpática e receptiva, não dá para negar.
"Éramos um tanto silêncio, e outro tanto escuridão."

A história se passa em São Paulo e se inicia quando a protagonista Julia com 8 anos encontra pela primeira vez aquele que irá mudar pra sempre a sua vida e de sua família.
Julia tem dois irmãos. Um mais velho que sofre de sérios problemas respiratórios e uma irmã bem jovem que devido à falta de alimentação e atenção adequada não está crescendo e se desenvolvendo como deviria. Um pai alcoólatra e viciado em aposta, uma mãe já fraca de carregar todas as responsabilidades desta família.

"Toda casa precisa de pessoas. Todo corpo precisa de alma, todo coração precisa de esperança, se não virá morada do mal, do vazio, e não há nada pior que o abismo que se forma a frente de um lugar de um lugar infértil de luz."

Quando o pai dominado pela expectativa de ganhos pega o único recurso da família para apostar em um jogo, sua mãe resolve ir atrás dele. Porem o que elas encontram é um homem totalmente dominado. Mas é neste cenário que elas encontraram Audrick um jovem muito rico que resolve, com a ajuda de Miriam, ajuda-los a sair da situação de miséria.
O livro é dividido em partes que acompanham o desenvolvimento de Julia, a primeira se passa na infância quando ela não sabe ainda o que pensar deste salvador.
A segunda fase nos conhecemos uma Julia adolescente que questionando a bondade e motivos de Audrick procura por Mirian para entender melhor suas motivações. Neste momento somos a presentados a Dimitri (filho gato de Mirian) que se tornará o amor de juventude de Julia.

"Muitas vezes precisamos aprender algo que nem fazemos ideia que existia, antes de aprender o que realmente se deseja."

Nesta fase, além do amor, muitos segredos serão revelados a Julia sobre o mundo que a cerca ser muito mais do que podemos ver.



"Tens construído estradas que não levam a lugar algum que realmente possa se desejar estar."

Apesar de eu ter shipado muito o Casal Julia e Dimitri não adiantou pois vamos descobrir na fase seguinte que Julia está destinada a viver uma história com Audrick.

"Mas os sonhos só se realizam se, antes de tudo, nos permitirmos sonha-los."

Muito contraditório e cheio de segredos Audrick é daqueles que deixa a gente sonhando com ele, lindo, místico, misterioso, “mau” (este foi por minha conta). Ele é muito dúbio a gente nunca sabe o que esperar, mas que é um gato disso não tenho dúvidas!!!
Um história cheia de uma fantasia bem nacional, que te deixa de queixo caído com a riqueza de informação, um amor que terá de resistir a muitas desafios, uma protagonista com uma história sofrida como de tantos brasileiros, muitas perdas, dor e ensinamentos.

"Fazia frio, mas nada estava tão gelado quanto nossos corações. Durante a madrugada ele nos deixou, como uma folha soprada pelo vento, desprendendo-se da árvore de nossa convivência, para um lugar qualquer, onde não se poderia mais vê-lo ou senti-lo."

Com uma narrativa tão poética que me deixou encantada, me emocionou, muito mais do que poderia esperar, este é o livro Dias de chuva. Uma bela surpresa para quem não esperava ser tão surpreendida por uma fantasia.
Por isso eu super recomendo está linda história.

"Para (...) agradecer a todos que leram, irão ler, já curtiram, compartilharam e torceram pelo seu trabalho, Carolina Mancini, fez este pequeno mimo: um calendário com doze ilustrações muito fofas e caprichadas do #DiasdeChuva (...)" Caderno da Lua

Link para download: 


E você gostou? Ficou curioso?

Então garanta logo o seu, pois quem sabe a gente ainda pode encontrar no futuro a história completa do Audrick!!!

Beijos!!!


segunda-feira, 12 de março de 2018

RESENHA DE FILME - SOMOS TODOS IGUAIS

Oi pessoal, como vocês estão?
Eu tô muito bem e hoje vim falar de uma coisa que eu amo... Filmes!!!!
Poís é, desta vez uma drama baseado em fatos reais e capaz de levar você as lagrimas...

Filme: Somos Todos Iguais
Título Original: Sam Kind of Different as Me
Direção: Michael Carney
Ano de Produção: 2017
Estreia no Brasil: 03 de Fevereiro 2017
Duração: 119m

Sinopse: Deborah Hall (Renee Zelweger) é uma mulher religiosa que está lutando contra um grave cancer. Casada com Ron (Greg Kinnear), um negociante de arte reconhecido internaconalmenete, ela insiste para que o marido se aproxime de Denver (Djimon Hounsou), um perigoso mendigo com um passado de sofrimento e exploração. Para salvar seu casamento, Ron tenta fazer amizade com Denver, mas, os sonhos escondidos de Deborah podem enviá-los em uma direção incerta.


Sabe quando você começa a asistir um filme sem qualquer expectativa? Pois é foi bem assim que comecei este, para falar a verdade tive até dificuldade de reconhecer a atriz Renee pois a mudança que aconteceu com ela depois da perda de peso foi muito grande.
Mas como o convite veio de Marido, que raramente assiste este tipo de filme, topei claro.
A história se inicia meio que de trás ara frente pois você vai conhecer o Ron antes mesmo de saber quais os acontecimentos precederam a cena inicial.
Ron é um famoso negociante de artes com uma familia perfeita que durante um evento em que a esposa e filhos estão presentes é confrontado  a contar a esposa que esta mantendo um relacionamento extraconjugal. Ao contrario do que possamos pensar apesar de este fato ser decisivo nos próximos acontecimentos ele é apenas o pontapé da história.
Apesar de a descoberta deixar muito abalada, Deborah resolve perdoar o marido Ron, mas é claro que ela tem um plano para fazer Ron se redimir.



Como é muito religiosa Deborah leva Ron a ajuda-la em um abrigo que ela trabalha como voluntária, desta forma o esposo para agrada-la acaba se envolvendo com as atividades e moradores o lugar e principalmente com Denver um sem teto que é muito arredio e agressivo.
Denver é um homem marcado pela desilusão e sofrimento incapaz de se perdoar pelas coisas que fez mas que aos poucos vai se abrindo ao casal, fazendo deles amigos.
Um filme realmente tocante, com varios dramas interligados, como o preconceito racial e social, os realacionamentos entre pais e filhos e entre mardo e mulher.
E sabe o que deixa a gente ainda mais impactado e descobrir no final que a história e baseada em fatos reais.


Denven ( Djimon Houns)  Ron Hall (Greg Kinnear)
Denven -  Ron Hall


Não é uma grande produção mas é aquele tipo de filme que faz você continuar pensando quando sobem os créditos.

Gostou da minha dica de filme e quer dar uma olha no trailer? Então confere ai:



Beijos e até a proxima!!!



segunda-feira, 5 de março de 2018

MEU AUTOR NACIONAL - CAROLINA MANCINI

Hoje a entrevistada é uma autora muito carinhosa, e que faz arte de um projeto de livro viajante da minha querida Lua do Blog Caderno da Lua


CAROLINA MANCINI, na verdade, Mancini era o sobrenome de sua avó, que ela adotou em sua homenagem.
Nasceu em são Paulo e escreve desde os 13 anos, começou com pequenos contos e poemas.
Com 8 antologias de contos, e duas de poesias. E agora com seu primeiro livro solo, Dias de Chuva lançado pela editora Estronho.
Carolina ama arte, e acredita que ela tem o poder de nos fazer melhores, mais sensíveis e despertar a empatia. Sendo a escrita a que tem uma enorme força de transmitir mensagens.

Quanto aos obstáculos para ser uma escritora ela acredita que seja entender o mercado e se profissionalizar. Ela acha fundamental que o autor se especialize, se aprimore, e invista tempo (às vezes, dinheiro) em sua carreira.

"O artista não pode encarar sua arte como algo mágico, que vem com o tal talento, e então, o mundo se abre ao seu dom (rs). Assim como qualquer outra profissão, é preciso insistir, melhorar sempre, e batalhar por um lugar ao sol."

A maior curiosidade dos leitores é saber sobre o processo criativo, e para ela é assim:

"Eu anoto as ideias em um caderno: personagens, assuntos sobre os quais quero falar, fatos que acho importantes. E depois parto para a escrita diretamente no computador, às vezes escuto uma música para me afastar de tudo, em outras, prefiro o silêncio."

E como a música entra nesta historia? 

"O Youtube me ajuda muito rs. Mas eu procuro músicas que me levem para uma atmosfera próxima da história ou do momento da trama que estou escrevendo."

A gente sempre imagina que os personagens são inspirados nos seus autores, mas não bem assim não. Carolina nos contou que a Júlia, protagonista do Dias de Chuva tem um pouco de várias pessoas que ela conhece, das amigas, de alunas, mas dela a personagem tem menos características.
  
Influência, ela tem sim, mas...

"Essa é uma pergunta difícil, pois acho que essa influência é inconsciente. Não fico pensando com quem quero parecer, apenas tento dar o meu melhor e escrever algo que eu gostaria muito de ler."


DIAS DE CHUVA
Se neste mundo existissem bruxas e feiticeiras, se existissem criaturas das trevas, matis e visagens e estivessem todos escondidos entre os prédios, na miséria e nos nossos sonhos, as escolhas seriam tão diferentes do que conhecemos?

Julia nasceu no cerne de uma família desestruturada, fruto de vícios, fome e pobreza, mas também nesse mundo, onde a magia se esconde. Ainda criança, conhece Audrick, um jovem soturno e misterioso, que vendo nela um grande dom, intervêm em sua família criando planos e moldando seu destino. Porém, na margem desse caminho, Vânia, tio de Audrick (um homem pérfido e aliciador de jogos de azar) também escreve a trama. Com o tempo, a garota descobre seus próprios segredos e mistérios, até que precisará enfrentar seu maior e mais poderoso rival.
Esta é uma história sobre humanidade, sobre caminhos e destino. Sobre busca e abandono. Sobre encontrar e perder-se. Sobre plantar e colher. (Amazon)

A escrita da Carolina Mancini busca tocar o leitor com uma nova visão do mundo. Fazer com que ele olhe algum aspecto da vida por um novo ponto de vista.
Quanto a como tem sido recebida a autora nos contou que varia um pouco:

"Tem os apaixonados pela literatura contemporânea nacional, e tem os que mal sabem que a gente existe. Mas no geral, o mercado tem aceitado melhor esses novos autores, e investido. Acredito que temos tudo para crescer."

Para divulgar seu trabalho a autora utiliza as redes sociais, e se você quiser acompanhar e conhecer mais do trabalho da Carolina Mancini e só clicar nos ícones das redes sociais ai em baixo na foto.

Image Map

"Tenho um canal no youtube também, mas lá, só posto algo bem pontual."


Ping Pong
Cor: Azul
Filme: O Labirinto do Fauno.
Serie: Doctor Who
Musica: Walpurgisnacht, da banda Faun.
Cantor(a): Muitos. Não consigo escolher.
Raiz ou Nutela: Ah, depende. Tudo tem seu momento rs
Dia ou noite: Dia
Frio ou calor: Frio
Livro físico ou e-book: Físico
Casar ou comprar uma bicicleta?: Sou casada e não sei andar de bicicleta (hahahahaha).
Ficção ou Não-ficção: Ficção.

Para o futuro, breve, podemos esperar o segundo livro da autora, Nihil, que deverá ser lançado ainda no primeiro semestre deste ano, que é uma distopia, mas também, um livro de terror onde o foco da narrativa são os pensamentos e reflexões dos personagens. 
E enquanto isso ela esta trabalhando  na próxima fantasia, Outono Azul, com bastante influência de folclore e cenas de terror também.

Vale lembrar que no inicio de janeiro foi lançado uma antologia com cinco contos de cinco autoras, Fernanda Chazan, Ana Lucia Merenge, Camila Pelegrini, Tatiane Durães e claro Carolina Mancini.


A antologia "GIRL POWER - Histórias de Garotas Destemidas", foi lançada em e-book na Amazon. 
Os contos são protagonizados por garotas determinadas, corajosas e dispostas a enfrentar todos os perigos e adversidades em busca de superação. Tratam-se de histórias fantásticas que pendem ao terror destinadas a pré-adolescentes, adolescentes e - por que não?! - também àqueles leitores de todas as idades dispostos a ler histórias inovadoras e empoderadoras que, de quebra, ajudam uma causa super importante. 
O mais importante é que toda a rende revertida com a venda do livro será destinada à ONG CRAMI (Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância), que cuida de crianças e adolescentes no ABC paulista que sofreram diferentes tipo de violência, sobretudo abuso sexual. 

Só por ser uma leitura solidaria já valeria a pena!!!

Esta foi a nossa Entrevista/perfil feito com a encantadora Carolina Mancini, que nos atendeu super bem e agora faz parte da historia do Cultura Pocket.

Eu adorei e quero saber o que você achou, me conta i nos comentário e se ainda não leu algum trabalho dela não perde mais tempo.

Beijos e até a próxima!!